Halo


Autor: Alexandra Adornetto
Editora: Agir
Ano: 2012
Paginas: 472
Três anjos são enviados a Terra com planos de se misturarem aos humanos para assegurar a paz e trazer a bondade: Gabriel, o Herói de Deus, um antigo guerreiro que se disfarça de professor de música; Ivy, serafim abençoada com poderes de cura; e Bethany, a mais nova e inexperiente do grupo, enviada como uma jovem estudante para aprender sobre a humanidade. Após Bethany se encantar com a vida humana, ela começa a viver todas as experiências de uma adolescente normal, até se apaixonar por um rapaz e colocar toda a missão em risco. As forças do mal se aproveitarão dessa situação para pôr seus planos malignos em prática. Um romance de tirar o fôlego, que responderá a pergunta: será que o amor é forte o suficiente para vencer as forças do mal?

Bethany é um anjo que foi enviado à Terra junto com seus dois irmãos, Gabriel (Gabe) um arcanjo e Ivy uma serafim, com a missão de restaurar a paz e a fé aos corações humanos e acabar de uma vez com as forças dos enviados de Lúcifer.
Gabriel estava muito preocupado com o desandar da missão, pois dos três, a Bethany era a mais frágil, a mais sujeita a ter as mesmas sensações e sentimentos dos humanos e se apegar a eles e assim colocar a missão em risco, como na primeira festa que ela vai.

Dei um gole por educação e me arrependi imediatamente. Era enjoativo, melado de tão doce, mas ao mesmo tempo me queimava a garganta. Determinada a não ser rotulada de desmancha-prazeres, continuei bebericando a mistura.
Por várias vezes, notei que, assim que meu copo esvaziava, ele era cheio novamente, como se por garçons invisíveis. A essa altura, eu me sentia tonta e com as pernas bambas. Atribuí isso ao fato de não estar acostumada à música alta nem a aglomerações. Bebi um pouco mais do meu drinque, esperando que ele me revigorasse. Afinal, Gabriel vivia falando sobre a importância de mantermos nossos corpos hidratados. Eu estava terminando o terceiro coquetel quando senti um desejo avassalador de me deitar no chão. Mas não cheguei a esse ponto. Em vez disso, senti uma mão forte me segurar e me levar para longe da multidão. A pressão em volta do meu braço aumentou quando tropecei. Deixei meu peso ser suportado e permiti que o estranho me guiasse para fora da casa. Então fui ajudada a chegar a um banco de jardim, onde me sentei com o corpo pendurado para a frente, ainda segurando o copo vazio.
Isso também fica claro logo na primeira semana deles na Terra, quando encontram com um garoto, que mais tarde acaba se tornando o grande amor de Bethany. Pois é, anjos também amam.

Dei outro passo à frente para olhar mais de perto. Seu cabelo castanho-claro era da cor da noz. Cobria-lhe as sobrancelhas e era luzidio sob aquela luz mortiça. Seus olhos tinham o formato de amêndoas e eram de um tom de azul-turquesa impressionante. Seu sorriso era absolutamente hipnotizador. Então era assim que se fazia, pensei; sem nenhum esforço, instintivamente, e de modo absolutamente humano. Enquanto olhava, sentia-me atraída por ele, quase que por uma força magnética. Ignorando o olhar repreensivo de Ivy, dei outro passo adiante.
Eles conseguem dar inicio a missão e tudo vai bem, uma maravilha, até que começam a ocorrer acidentes, mortes e surge um novo rapaz na cidade, que esta disposto a ter Bethany. E tudo começa a dar errado.

O garoto que se aproximou da professora não era o que eu esperava. Alguma coisa em sua aparência fez meu coração afundar no estômago. Alto e esguio, tinha o cabelo escuro e liso na altura dos ombros. As maçãs do rosto eram salientes, dando ao rosto uma expressão emaciada, cavernosa. O nariz era encurvado ligeiramente na ponta, e os olhos escuros nos observavam obstinados sob sobrancelhas espessas. Vestia um jeans preto e uma camiseta preta e tinha uma tatuagem escura de uma serpente se enrascando no antebraço. Mostrava-se totalmente à vontade com o fato de não estar usando o uniforme da escola. Na verdade, tinha um andar confiante, como alguém que se considera acima das regras. Não havia como negar: ele era lindo. Mas sua imagem sugeria mais que beleza. Seria graça, elegância, charme ou algo mais perigoso?
Eu amei o livro. Ele mostra em detalhes a surpresa de Bethany com as sensações ao comer uma fruta, quando começa a se apaixonar e como deveria ser o verdadeiro e puro amor.
Quando o livro começou a ficar chato parado, surgiu o misterioso rapaz e deu um pouco de movimento e ação à historia. Terminei o livro já querendo o próximo.
Recomendo muito muito mesmo.

3 comentários:

  1. Anjos adoro livros com anjos é tão emocionante, sempre belos, e com tudo um amor proibido rs é tão bom ler esse tipo de livro.... bjss vivis

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito de anjos e este enredo me lembrou o filme Cidade dos Anjos.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Também me lembrou o filme Cidade dos Anjos, percebi isso quando você diz: "...surpresa de Bethany com as sensações ao comer uma fruta" Isso acontece exatamente com o anjo Seth, do filme Cidade dos Anjos (meu filme preferido), quando ele come uma pêra.

    ResponderExcluir